segunda-feira, 16 de maio de 2011

Síndrome do Pânico

"Repentinamente, o coração dispara vindo acompanhado de tontura e falta de ar. Um terrível sentimento de morte iminente sufoca o âmago. Alguns minutos depois, tal estado de extrema ansiedade pode desaparecer, mas a pessoa fica atormentada apenas pela expectativa de que uma outra crise aterrorizante possa ocorrer sem avisar e com a pessoa totalmente indefesa ou vulnerável. É como se ela se sentisse ameaçada o tempo todo, com algo terrível e prestes a acontecer, sem que ela possa prevenir."

Foi mais ou menos isso que eu senti quando voltava para casa após um dia de trabalho, em janeiro de 2005. Devia ser meio-dia, mais ou menos. O sol queimava, de tão forte. Recordo de não ver bem, de o sol ofuscar minha visão e sentir uma tontura, me fazendo cambalear o corpo, que bateu numa grade de uma casa.
A partir daquele dia, minha vida acabou, e outra começou.

Eu mudei. Minha rotina mudou. Minha visão do mundo mudou. Das coisas.
Antes, eu sequer pensava em nada quando me convidaram para simplesmente dar uma caminhada. Eu apenas levantava e ia caminhar. Era mecânico, espontânio, natural. Agora, eu penso, reflito sobre a atividade a qual farei. Em qual lugar andarei, se terão muitas pessoas. Se levarei dinheiro, para caso eu precise comer ou beber algo (fatores como sede e fome me causam crises), tenho que pegar remédios para o caso de uma crise etc.

Parece supersimples falando. Parece que é até exagero. Mas eu queria muito que as pessoas fizessem um exercício(zinho), já que pus aqui minha cara ao tapa, e tentassem, DE VERDADE, lembrar-se ou imaginar-se em uma situação de pânico - uma situação de horror, pavor, não é medo - e sentissem isso por alguns instantes. (Agora). Lembre-se ou imagine o calafrio, o coração disparado, o pavor tomando conta de tudo, corpo, alma, alterando o raciocínio, a percepção de longe, perto, alto, baixo.

Faz anos que convivo com o pânico, quase que diariamente comigo, andando comigo, para onde vou. Já tenho os meus métodos que amenizam os sintomas, mas mesmo assim, veterana, posso assegurar que na hora H, a morte SEMPRE parece iminente.

Quero pedir aqui, também, que as pessoas respeitem mais esta doença. E quero muito dizer algumas coisas:
Primeiro: Síndrome do pânico e depressão não são a mesma coisa e nem sempre quem tem uma, tem a outra.
Segundo: Quem tem síndrome do pânico não é louco, não é lunático, não tem esquizofrenia ou algo assim.
Terceiro: Não banalizem a doença. Não é porque um dia alguém teve fortes dores no peito, por exemplo, pensando ter um enfarto, mas não teve, que ele tem síndrome do pânico. Nem sempre quem não quer sair de casa tem síndrome do pânico. A síndrome do pânico virou moda. Todo mundo hoje "tem" síndrome do pânico. Quando não se sabe o que a pessoa tem, fala-se que a pessoa sofre de síndrome do pânico.
Vou esclarecer: As pessoas, todas, podem ou não ter várias crises de pânico ao longo de sua vida e mesmo assim não sofrerem da síndrome; síndrome do pânico tem aquele que sofre crises quase que ou diariamente. Que muda sua vida em função desse transtorno.
E nunca, nunca diga uma frase como esta: Ai, hoje eu tive uma síndrome do pânico.
Você vai pagar mico!

Fui!

Um comentário:

byClaudioCHS disse...

Medo...
Vontade de dar um grito,
ou calar-se para sempre
De ficar parado, ou correr
De não ter existido
ou deixar de existir (morrer)
Não há razão quando a mente não funciona
(redundante, não?)
Vão extinguindo-se as questões
mesmo sem respostas
Perde-se, neste estágio,
a vontade de saber.
O futuro é como o presente:
É coisa nenhuma, é lugar nenhum.
Morreu a curiosidade
Morreu o sabor
Morreu o paladar
parece que a vida está vencida
Tenho medo de não ter mais medo.
Queria encontrar minhas convicções...
Deus está em um lugar firme, inabalável,
não pode ser tocado pela nossa falta de confiança
Até porque, na verdade, confio nele
O problema é que já não confio em mim mesmo
Não existe equilíbrio para mentes sem governo
A química disfarça, retarda a degradação
mas não cura a mente completamente
E não existem, em Deus, obrigações:
já nos deu a vida, o que não é pouco,
a chuva, o ar, os dias e noites
Curar está nele, mas, apenas retardaria a morte
já que seremos vencidos pelo tempo
(este é o destino dos homens)
e seremos ceifados num dia que não sabemos
num instante que mira nossa vida
e corre rápido ao nosso encontro lentamente
(ou rasteja lento ao nosso encontro rapidamente?)
Sei lá...
Mas não sei se quero estar aqui
para assistir o meu fim
Queria estar enclausurado, escondido...
As amizades que restam vão se extinguindo
e os que insistem na proximidade
são os mesmos que insistirão na distância,
o máximo de distância possível.
A vida continua o seu ciclo
É necessário bom senso
não caia uma árvore velha, podre, sobre as que ainda estão nascendo.
Os que querem morrer deixem em paz os que vão vivendo
Os que querem viver deixem em paz os que vão morrendo
Eu disse bom senso?
Ora, em estado de pânico não se encontra bom senso
nem princípios, nem razão, nem discernimento,
nem força alguma
Torna-se um alvo fácil
condenável pelos que estão em são juízo
E questionam: onde está sua fé?
e respondo: ela estava aqui agora mesmo...
ela não se extingui, mas parece que as vezes se esconde de mim...
o problema é que, quando a mente está sem governo
(falo de um homem enfermo)
é como um caminhão que perde o freio
descendo a serra do mar...
perde-se o contato com a fé e com tudo o que há...
e por alguns instantes (angustiantes)
não encontramos apoio, nem arrimo, nem chão, nem parede, nem mão...
ah... quem dera, quem dera...
que a mão de Deus me sustente neste instante...
em que viver é tão ou mais difícil que conjulgar todos os verbos...
porque sou, neste momento
a pessoa menos confiável para cuidar de mim mesmo...
tenho medo, medo...
medo de perder o medo
de sair da vida pela porta de saída...
medo de perder o medo
de apertar o botão "Desliga"...

http://progcomdoisneuronios.blogspot.com

.